Como não comer veneno: acesso a alimentos livres de agrotóxicos
28.08.2021

Feira camponesa | Créditos: Divulgação Raízes do Brasil

Iniciativas de fortalecimento à agricultura familiar se articulam em ações que viabilizam a produção, circulação, distribuição e acesso a alimentos justos, orgânicos ou agroecológicos. Conheça algumas dessas experiências.

IDEC Instituto de Defesa do Consumidor

Com o objetivo de ampliar a disseminação da informação em torno de feiras orgânicas e rede de alimentos agroecológicos, o IDEC Instituto de Defesa do Consumidor criou o Mapa de Feiras Orgânicas uma importante ferramenta de busca, que estimula a alimentação saudável em todo o Brasil e mostra que os produtos orgânicos podem ser mais acessíveis aos consumidores. 

Greenpeace Brasil

Também se valendo da importância de conduzir o consumidor a uma alimentação livre de agrotóxicos, o Greenpeace Brasil criou o “Guia de Produtores Agroecológicos”, que surge como um documento que apoia redes de agricultura familiar e camponesa, assim como povos indígenas e comunidades tradicionais, fortalecendo cadeias curtas de comercialização, mercados locais, e o acesso à comida saudável e de qualidade para toda a sociedade.

MPA – Movimento dos Pequenos Agricultores

O MPA – Movimento dos Pequenos Agricultores desenvolveu a iniciativa “Cesta Camponesa de Alimentos Saudáveis”, que vem se articulando na luta nacional contra o avanço do agronegócio, potencializando a produção e comercialização de alimentos agroecológicos. Com apoio do Instituto Ibirapitanga, o MPA realizou em 2020, projeto para o abastecimento popular, que ampliou ações nacionais de combate à fome, por meio da doação de cestas básicas de alimentos agrícolas e livres de pesticidas às famílias em vulnerabilidade social.

CSA — Comunidade que Sustenta a Agricultura

Com foco na promoção da segurança e sustentabilidade de produtores agrícolas, a CSA — Comunidade que Sustenta a Agricultura atua na  garantia das produções de alimentos, escoamento e ponte entre consumidores e produtores. A iniciativa centraliza as necessidades do agricultor, se desvinculando das pressões do mercado e ativando novas relações justas que impulsionam um desenvolvimento agrário sustentável e a comercialização de produtos orgânicos, que estabelecem uma relação próxima entre quem produz e quem consome.

FICA – Associação para a Propriedade Comunitária

Buscando cuidar das pessoas e do meio ambiente, o Fundo Agroecológico FUA, realizado pelo FICA – Associação para a Propriedade Comunitária com apoio do Ibirapitanga, atua em um modelo de salvaguarda da terra para o fortalecimento da agricultura familiar, na garantia da produção e escoamento de alimentos produzidos em Parelheiros, Zona Sul de São Paulo. Recentemente, a iniciativa se articula na campanha de economia solidária “Segurança na terra, segurança na mesa”, que mobiliza a sociedade civil para doações voltadas à aquisição de alimentos da rede de agricultores familiares, com foco no combate à insegurança alimentar, por meio de doações de alimentos sem veneno direto à mesa de brasileiros.

CESE – Coordenadoria Ecumênica de Serviço

Para o enfrentamento da insegurança alimentar e fome no Estado da Bahia, a CESE – Coordenadoria Ecumênica de Serviço apoiou a Feira Agroecológica do MAB: Agroecologia e economia solidária religando e reconstruindo laços campo-cidade” com o objetivo de garantir renda às famílias agricultoras vulneráveis, e de doar alimentos agroecológicos para pessoas em situação de pobreza, agravada pela pandemia da covid-19. Atualmente, a CESE conta com apoio do Instituto Ibirapitanga ao fortalecimento dos sistemas alimentares sustentáveis de comunidades quilombolas e tradicionais do Cerrado,  centralizando o enfrentamento ao racismo.

Fundações e visão sistêmica da questão alimentar

Conheça organizações no mundo que incluem em suas estratégias de atuação a visão sistêmica sobre a questão alimentar veja mais